Aplicabilidade do Dedo Mínimo da Mão Direita

A pesquisa, recentemente apresentada como tese de doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Música da UNIRIO, tem como objetivo analisar a aplicabilidade do dedo mínimo da mão direita no Concertino n. 2 para violão e orquestra de Radamés Gnattali. No manuscrito da obra solicita-se do intérprete a utilização do dedo mínimo, técnica violonística não usual. A pesquisa investiga também as possibilidades do uso do mínimo da mão direita em outras obras de Gnattali e em obras de outros compositores. Apresenta um histórico da técnica violonística da mão direita, com ênfase nos autores que a utilizaram. Sugere um conjunto abrangente de situações técnicas inéditas que propiciam nas performances a utilização do 5 da MD.

Apresenta três obras escritas especialmente para a tese que exploram o uso do mínimo da mão direita, em que houve troca de informações entre intérprete e compositor. São obras de Ricardo Tacuchian, Melodia dos Cinco Irmãos; de Arturo Medina, Chacarera con el cinco; e de Luiz Otávio Braga, Divertimento a cinco (algumas no formato media player, abaixo). O objetivo destas obras foi comprovar os benefícios para a técnica e a performance violonísticas. Como referenciais prático e teórico foram utilizados, respectivamente, os métodos de Domingo Prat e Charles Postlewate, além dos conceitos de Pierre Bourdieu e Theodor Adorno. A tese apresenta ainda uma redução para violão e piano do Concertino n. 2 e do Concerto n. 4, de Radamés Gnattali, além de DVD e CDR, brevemente disponibilizada no site da UNIRIO.

Melodia dos Cinco Irmãos, Ricardo Tacuchian

Chacarera con el Cinco, Arturo Medina

Estúrdio I, Luiz Otávio Braga